O acordo de cooperação técnica “Soluções inteligentes para a cidade do Recife”, idealizado através de parceria entre o Centro de Informática (CIn) da UFPE, a Prefeitura do Recife, a Emprel, o CESAR e o Porto Digital, foi assinado  pelo Reitor da UFPE, Anísio Brasileiro, na tarde dessa quarta-feira (3). A ideia foi inserida como parte do projeto de abertura de dados governamentais criado pela gestão do prefeito Geraldo Julio, que terá como marco inicial o lançamento do portal de dados abertos  no próximo dia 15. O objetivo é que o concurso resulte em ideias viáveis para a melhoria do dia-a-dia no Recife em áreas como: segurança, resíduos sólidos, mobilidade, turismo, saúde, educação, entre outras.
 
O professor  do CIn-UFPE, Kiev Gama, foi o representante da universidade na autoria do projeto do concurso que será realizado em etapas. A primeira etapa consiste na divulgação que se dará durante a segunda edição da Campus Party Recife (CPRecife), de 17 a 21 de julho. Ela contará com o Hackathon batizado de “Hacker Cidadão” que vai premiar aplicativos Mobile ou Web. Os Apps deverão usar pelo menos uma das bases de dados da prefeitura e serão desenvolvidos em uma maratona de programação durante a CPRecife, onde o professor é responsável pelo conteúdo da trilha de Smart Cities. "Discuti a ideia inicial do hackathon com a gerente de conteúdos da Campus Party, que apoiou a iniciativa posteriormente aprovada pela Emprel e demais parceiros", relata Gama.
 
Logo após a CPRecife, o concurso entra em um formato mais extenso, chamado de "Cidadão Inteligente", que conta com duas categorias: “Aplicativo” e “Projeto Conceitual”, com premiações que chegam a R$10.000 além de bolsas em cursos de extensão oferecidos pelo CESAR.EDU. O período de inscrições do "Cidadão Inteligente" se estenderá até novembro, com os finalistas sendo anunciados no mês seguinte e o resultado divulgado em janeiro de 2014 após workshop entre os selecionados. O evento final busca criar um ambiente de inovação e empreendedorismo, e pretende atrair potenciais investidores que venham a se interessar pelos projetos vencedores.
 
O uso de dados abertos governamentais (Open Government Data) se insere na temática de Cidades Inteligentes e é uma tendência mundial que tem como exemplos iniciativas bem-sucedidas de concursos para estimular a criação de aplicativos, utilizando estes tipos de dados em Nova York (NYC Big Apps) e no Rio de Janeiro (RioApps). Para o sucesso da iniciativa no Recife foi necessária uma ação em conjunto, para que fosse possível “entender melhor tanto os papéis das pessoas envolvidas como o uso de certas tecnologias ligadas a este processo”, como afirma Gama. “Desde então estamos trabalhando em duas frentes: uma focada em dados abertos, com a professora Bernadette Lóscio, e outra, na qual estou envolvido, para conceber e formatar o concurso que fomenta o uso desses dados através da construção de aplicativos Web e Mobile”, completa.

Fotos: Andréa Rêgo Barros/PCR

Comentários desativados