O conteúdo principal da dissertação de mestrado "Computação em Nuvem: Desafios e Oportunidades para a Forense Computacional" do aluno Dener Didonné, acaba de ser publicada como um capítulo do livro internacional especializado "Cybercrime and Cloud Forensics: Applications for Investigation Processes, publicado pela IGI Global. O trabalho foi orientado pelo Professor Ruy Guerra de Queiroz e defendido em agosto de 2011.
 
Organizado pela pesquisadora Keyun Ruan, da University College Dublin, Irlanda, o volume reúne 14 contribuições de especialistas da academia, da indústria, e do setor de defesa com relatos de resultados de pesquisa e estudos de caso de aplicações em processos de investigação em ambientes de computação em nuvem. Concebido para se tornar fonte de referência para usuários, arquitetos de cibersegurança, assim como para agências de manutenção da ordem e das leis ("law enforcement agencies"), o livro abre novas perspectivas no que se denomina "forense na nuvem" (em inglês, "cloud forensics").
 
Com o título de "Forensic as a Service" (FaaS), o capítulo de Dener e Ruy começa apresentando o estado da arte do novo paradigma "Forense como Serviço" concebido para enfrentar um dos principais desafios da forense computacional: o aumento da capacidade de armazenamento de dispositivos eletrônicos, que ameaça inviabilizar a criação de imagens forenses, e até mesmo impossibilitar a análise, em tempo hábil, dos dados coletados num determinado incidente. Sob forma de proposta original, o capítulo argumenta que o modelo proposto com base no paradigma FaaS permite a alavancagem da flexibilidade, elasticidade, e da dinâmica da computação em nuvem.
 
De custo acessível a pequenas empresas, setores governamentais e instituições sem condições de fazer grandes investimentos em servidores próprios, a computação em nuvem se revela de extrema conveniência pois permite o enfrentamento do desafio de processar enormes volumes de dados forenses utilizando o esquema MapReduce e a computação distribuída.

Comentários desativados