Em meio a tantas conquistas, o CIn celebra mais um marco em sua trajetória de formação de profissionais no campo da tecnologia. No atual período acadêmico, mesmo nesse período de isolamento social e suspensão das atividades presenciais na UFPE, foi defendida virtualmente a tese de número 500, apresentada no dia 21 de julho, às 15h00, por meio da plataforma Google Meet. Além da importância do alcance da marca em si, mais um motivo de celebração é o fato dessa ocasião especial ter sido defendida por uma doutoranda.

De acordo com pesquisa feita em 2019 pelo programa YouthSpark, da Microsoft, apenas 18% dos graduados em ciência da computação e 25% dos empregados em áreas técnicas de tecnologia da informação (TI) no Brasil são do sexo feminino. Esses números se afunilam ainda mais caso os dados observados sejam referentes ao número de doutorados obtidos por pesquisadoras. Ou seja, a conquista do CIn é motivo duplo de orgulho e êxito.

Ana Carla Holanda, aluna do CIn que pleiteou o título de doutora pela instituição, concebeu em sua pesquisa o desenvolvimento da plataforma MOOColab, com a orientação da professora Patrícia Tedesco. O objetivo principal do trabalho foi planejar e implementar um Framework de Colaboração em cursos MOOC (Massive Open Online Courses), definidos como cursos massivos destinados a uma grande quantidade de pessoas acessíveis pela internet, a partir da recomendação de pares. “O propósito é aproveitar a diversidade de conhecimentos e culturas de pessoas que acessam os cursos e através da colaboração entre eles potencializar a aprendizagem. Assim, criamos uma rede de conexão entre os alunos que podem perpassar a realização do curso, extrapolando, assim, a plataforma virtual”, explica a pesquisadora.

Além do feito da submissão da tese 500, a banca de avaliação da pesquisa foi composta também por mulheres formadas na área. São elas: a professora do CIn, Carla Silva; as professoras da UFRPE, Jeane Melo e Juliana Diniz; Catarina Souza Costa, professora da  UFAC, e Vaninha Vieira dos Santos, professora da UFBA.

Patricia Tedesco, professora do CIn e responsável pela orientação da tese, revela que o trabalho, além de constituir importante obra acadêmica, também possui grande significado particular em sua experiência como docente e pesquisadora. “Fico muito encantada com a história de Ana Carla, uma mulher que enfrentou diversas dificuldades e nunca teve medo de ir atrás de seus objetivos. De repente, nos vemos colaborando com um trabalho importante, que teve uma aplicação prática muito relevante no Instituto Federal do Acre (IFAC), onde tivemos acesso a resultados significativos. Então trazemos a teoria e, juntamente com os resultados, montamos artefatos que vão dar retorno para a sociedade. Em particular, meu encanto também é voltado para a conquista da tese 500 ter sido alcançada por uma mulher, pois para nós, que estamos vivendo todas essas dificuldades de trazer mais mulheres para a área é muito gratificante”, reflete.

Natural da cidade de Fortaleza, no Ceará, e graduada em Sistemas de Informação pela Universidade Federal do Acre, Ana Carla é atualmente professora coordenadora de ensino de Educação a Distância do IFAC, onde percebeu a necessidade de se especializar e trilhar uma maior qualificação. Após a conclusão de seu mestrado em Educação Agrícola pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, resolveu participar da seleção 2015.2 do programa de doutorado do CIn na área de Engenharia de Requisitos. 

A aluna conta que sua trajetória na área da tecnologia foi movida por sua motivação e desejo de contribuir de maneira concreta e direta para as necessidades do ensino superior pertinentes ao estado em que vive e leciona. “Nossa realidade [no Acre] é bem diferente dos grandes centros. Qualificação na área de Tecnologia é algo complicado, pois temos de buscá-la fora do estado. Pensando em minha linha de pesquisa, quis levar algo que pudesse ser aplicado na minha instituição. Não queria um trabalho que seria engavetado. Por isso, decidimos planejar e depois implementar o Framework para ser utilizado pela comunidade acadêmica do Instituto. Assim, cumpriríamos a meta do IFAC que é oportunizar ensino a todos os municípios do Acre, mesmo sabendo que o projeto não ficaria restrito ao nosso estado”, revela.

Além da contribuição acadêmica, o trabalho desenvolvido pela pesquisadora também toca em áreas sensíveis de questões sociais. Por estar embasado no campo do acesso à educação, o framework desenvolvido no projeto viabiliza a criação de laços entre os alunos, a partir da recomendação, e gera a oportunidade da circulação de uma diversidade de conhecimentos entre os alunos em qualquer lugar do país e do mundo. “O propósito da pesquisa foi potencializar uma aprendizagem pautada na diversidade de conhecimentos e pontos de vista, criando alunos autônomos e críticos. Assim, podemos proporcionar uma aprendizagem contínua ao longo da vida”, pontua. 

Adicionalmente, o trabalho tem caráter inédito,  em relação a outros trabalhos que buscam promover a colaboração em MOOC. Diferente de outras abordagens relacionadas, o MOOColab promove a colaboração a partir da recomendação de colegas a outros, considerando as características e necessidades dos alunos. Para isso, é utilizada uma ferramenta de Learning Analytics – para que se possa identificar os padrões de comportamento dos estudantes, e assim realizar uma recomendação mais adequada, bem como uma análise das características de personalidade dos estudantes, por meio do Myers-Briggs Type Indicator. Por fim, as ferramentas disponibilizadas no MOOColab, trazem uma perspectiva de rede social dentro do ambiente massivo, aumentando a presença social dos participantes, e gerando conexões que podem ir além da plataforma em si.

Quanto aos planos para o futuro, Ana Carla afirma que pretende implantar e consolidar o uso do MOOColab, buscando melhorias que possibilite ainda mais a inclusão social. Durante o andamento da pesquisa, a doutoranda teve a oportunidade de apresentar aos gestores do IFAC o Framework desenvolvido em sua tese. “Os resultados foram melhores do que o esperado. O IFAC institucionalizou o MOOColab e ele será utilizado no âmbito institucional. Com isso, fui convidada a apresentar, juntamente com Patricia, o MOOColab para a comunidade acadêmica onde apresentamos o resultado de muita dedicação e parceria”, conclui.

Sobre a Pós-graduação – O prestígio do Centro de Informática (CIn) da UFPE como um dos mais importantes centros acadêmicos das áreas de tecnologia da informação do país e da América Latina já é consolidado através de sua trajetória como instituição federal e pelos profissionais e pesquisadores de excelência formados no CIn. O início dessa história de credibilidade científica, se deve ao programa de pós-graduação em 1974 e, consequentemente, à formação acadêmica com oportunidades de crescimento profissional oferecidos pelo Centro. Neste contexto, o programa de pós-graduação, com destaque para o doutorado é um dos maiores do Brasil.

Criado em 1992, o curso de Doutorado em Ciência da Computação do Centro de Informática (CIn) da UFPE objetiva o desenvolvimento e aprimoramento dos meios de pesquisa e a geração de novos conhecimentos a partir do estímulo ao aprofundamento acadêmico para quem deseja ensinar e pesquisar. Ao longo dos anos, o programa concedeu o maior número de títulos de doutorado em computação do país. A maioria dos formados exerce, atualmente, suas atividades profissionais na região Nordeste. Os doutores e doutoras do CIn não se restringem apenas à carreira acadêmica de pesquisa científica, mas também atuam profissionalmente em empresas e na indústria, tanto no Brasil como no exterior.

Comentários desativados