Pós-Graduação em Ciência da Computação – UFPE
Defesa de Tese de Doutorado Nº 509


Aluno: Victor Hazin da Rocha
Orientador: Prof. Fernando da Fonseca de Souza
Título: UM APLICATIVO PARA ENSINO DE RECONHECIMENTO DE CARACTERES BRAILLE PARA USO COM UM DISPLAY BRAILLE ESPECÍFICO
Data: 27/11/2020
Hora/Local:  9h – Virtual – Interessados em assistir entrar em contato com  o aluno
Banca Examinadora:
Profa. Ana Carolina Brandao Salgado (UFPE /Centro de Informática)
Profa. Maria Salete Marcon Gomes Vaz (UEPG / Departamento de Informática)
Profa. Tatiana Aires Tavares (UFPEL / Departamento de Informática.)
Prof. Gibeon Soares de Aquino Junior (UFRN/Depto de Informática e Matemática Aplicada)
Profa. Flávia Maria Santoro (UERJ / Instituto de Matemática e Estatística)


RESUMO:

O número de deficientes visuais vem aumentando nos últimos anos e, segundo  a Organização Mundial da Saúde (OMS), até 2050 pode haver mais de 115 milhões de pessoas cegas no mundo. A alfabetização em Braille para pessoas com deficiência visual, principalmente as com cegueira total, possui o mesmo papel que os métodos educacionais tradicionais para pessoas sem 
problemas de visão. Apesar da importância do domínio da leitura e escrita 
em Braille para os deficientes visuais, o processo de ensino de Braille 
continua a ser negligenciado e pouco evoluiu desde a invenção desse 
sistema. Deve-se ainda ressaltar que a taxa de alfabetização dessa parte 
da população vem caindo consideravelmente ao longo dos anos. No Brasil, a 
taxa de alfabetização dos deficientes visuais é menor que 10%. Segundo 
pesquisas, a falta de instrutores aptos a alfabetizar em Braille é um dos 
principais fatores para esse problema (AWANG DAMIT et al., 2014; NATIONAL FEDERATION OF THE BLIND, 2015; PUTNAM; TIGER; FICHTNER, 2015; WAGH et al., 2016). Assim, este trabalho tem como objetivo criar um dispositivo e método de uso, visando aumentar a capacidade de reconhecimento e mapeamento de caracteres Braille para o alfabeto romano, de modo a serem utilizados para o treinamento de professores e monitores de alunos deficientes visuais, sem 
a necessidade de intervenção humana neste processo. Este trabalho, 
portanto, apresenta o Braille Reader Tutor (BRT), uma aplicação para 
smartphones, e o DISBRA, um display Braille open souce, capazes de ensinar 
a identificação e mapeamento das letras do alfabeto romano para o seu 
equivalente no sistema Braille. Nos experiementos realizados com o BRT e 
DISBRA, após em média 90 minutos de treinamento, os participantes foram 
capazes de reconhecer 69,23% das letras do alfabeto em Braille com a 
inspeção tátil e olhos vendados, e 86,82% quando a leitura foi feita sem os 
olhos vendados, o que indicou que o BRT é uma alternativa válida e 
eficiente para o ensino de Braille a distância. A usabilidade dos artefatos 
e do processo de treinamento também foi mensurada com a aplicação do 
questionário System Usability Scale, obtendo a nota média de 89 pontos, 
pontuação que, segundo Bangor, Kortum e Miller (2009), confirma que o 
objeto estudado possui uma excelente usabilidade.

Palavras-chave: software educacional; ensino de braille; dIsplay braille; 
acessibilidade

Comentários desativados