Pós-Graduação em Ciência da Computação – UFPE
Defesa de Dissertação de Mestrado Nº
 1.982

Aluno: Edmilson Rodrigues do Nascimento Junior
Orientador: Prof.  Geber Lisboa Ramalho
Co-orientador: Prof. Cristiano Coêlho de Araújo
Título: A Disciplina “Projetão”: História, papel e relevância para o   
Ecossistema de Tecnologia de Informação e Comunicação De Recife
Data: 26/10/2021
Hora/Local: 15h – Virtual – Interessados em assistir entrar em contato com o aluno
Banca Examinadora:
Prof. Sergio Castelo Branco  Soares (UFPE / Centro de Informática)
Prof. Pierre Lucena Raboni (UFPE / Departamento de Ciências Administrativas)
Prof. Geber Ramalho Lisboa (UFPE / Centro de Informática)


RESUMO:

A Universidade ser de excelência no ensino e pesquisa é condição 
necessária, mas não suficiente para a criação de uma cultura de inovação e 
empreendedorismo entre os seus membros e a sociedade. Dessa forma, expandir 
a cultura universitária para ser um Locus de ensino e prática sobre 
inovação, empreendedorismo e transferência de tecnologia faz-se necessário, 
pois a inovação traduz-se em competitividade para empresas e melhoria na 
qualidade de vida para os indivíduos.  Nesse contexto, nos últimos 18 anos 
desenvolveu-se no Centro de Informática da UFPE a disciplina conhecida 
popularmente como “Projetão”. A disciplina é reconhecida pelo ecossistema 
de TIC de Recife como um sucesso em função de seu  papel de fomento à 
cultura e aprendizado prático de inovação e empreendedorismo de base 
tecnológica, tendo inclusive ajudado a criar diversas startups. Contudo, 
até o início desse trabalho, ninguém havia documentado a história ou 
estudado a percepção do papel e relevância de Projetão. A presente 
dissertação objetiva preencher essas lacunas, analisando o  papel e a 
relevância de Projetão junto aos ex-alunos e ao ecossistema de TIC de 
Recife, e documentando e organizando o histórico de Projetão. Para tanto, 
foram aplicados métodos mistos de levantamento de dados: pesquisa 
documental, entrevistas com os professores que ensinaram Projetão, surveys 
com ex-alunos e entrevistas semi-estruturadas com líderes do ecossistema. 
Levantamos que Projetão educou 2135 estudantes, que criaram 22 startups, 
dentre as quais destacam-se InLoco, Eventik, Capyba,  Prepi e Lovecrypto. 
Também, pode-se constatar que a maioria dos respondentes à pesquisa 
trabalham com inovação após formados e 16.6% deles tornaram-se 
empreendedores profissionais, o dobro da média nacional segundo o 
benchmarking da pesquisa da Endeavour (2012). Por fim, essa pesquisa também 
contribui, como efeito colateral, com uma reflexão crítica sobre a 
disciplina de Projetão, que poderá contribuir com sua  melhoria no futuro. 
É o caso de algumas observações dos líderes do ecossistema que entendem que 
os alunos de Projetão ainda resolvem problemas pouco relevantes e que 
poderia haver um foco maior em criar startups com mais maturidade de 
mercado, com perfil de fundadores diversos e com um maior diferencial 
inovador.

Palavras-chave: Educação para inovação. Ensino da Inovação,.Projetão. Porto 
Digital.

Comentários desativados