Atividades relacionadas ao tratamento de problemas na saúde geralmente despertam aversão aos pacientes e transformar esse momento numa ação divertida pode parecer impossível. Mas foi pensando nessa dificuldade que a PhysioSystem, empresa formada por alunos do Centro de Informática (CIn) da UFPE, desenvolveu o sistema Kapp. Nele é possível fazer tratamento fisioterápico de maneira mais agradável e até mesmo distante do fisioterapeuta.
 
O grupo de 15 alunos do CIn, criou essa nova ferramenta de auxilio na reabilitação fisioterápica a partir de estudos recentes da área de saúde. Esses estudos mostram a busca dos profissionais do campo por tratamentos mais completos e que não objetivem apenas a eliminação dos sintomas de determinada patologia, mas a recuperação do paciente como um todo, prezando pelo bem-estar. Em determinadas segmentações, como a fisioterapia, fatores como a satisfação e motivação são de grande importância para o êxito do tratamento, já que em geral eles são compostos por movimentos simples e repetitivos, porém dolorosos por causa da restrição de movimentos do paciente. A recuperação está diretamente associada à força de vontade e disciplina, então se acredita que um paciente estimulado e satisfeito fica mais próximo da cura do que um desmotivado.
 
No projeto o paciente faz a fisioterapia como se estivesse jogando um vídeo game, controlando um personagem visualizado numa televisão através dos movimentos corporais presentes em sua rotina de exercícios. A partir desse “jogo” são coletados dados que geram relatórios sobre o desenvolvimento do usuário. O grupo de alunos ainda deseja associar uma placa de rede sem fio ao sistema, permitindo o envio dos relatórios ao fisioterapeuta. Assim o paciente poderá praticar as atividades em casa sem se preocupar, pois o dispositivo vai verificar a precisão dos movimentos e o fisioterapeuta estará ciente dos resultados obtidos.
 
A idéia foi enviada à Intel como resposta a uma chamada destinada às universidades do país que procuravam idéias inovadoras na área de Sistemas Embarcados. O Projeto que contou com a orientação de Cristiano Araújo, professor do CIn, foi aceito e ficará recebendo consultoria dos profissionais de lá por um ano.

Comentários desativados